domingo, 9 de agosto de 2009

Feliz Dia dos Pais!

Um dia um tanto comercial, mas muito especial. Não só para mim, como para muitas outras filhas, pais e afins. Então aqui decidi falar um pouco dele e não muito do que sinto por ele, pra não ficar muito meloso.
Desde pequena nunca convivi muito, ou melhor, o bastante com ele. Ele sempre trabalhou fora e voltava todos os dias. Até que o cansaço parou de permitir. Então só o vejo nas férias dele e nos fins de semana , que é quando ele vem pra casa. E até que não é tão ruim assim. Quando eu era menor, eu morria de saudade e quando ele chegava sempre trazia muitos presentes pra mim. Mas depois que eu cresci a saudade foi diminuindo e não ganhava mais tantos presentes como quando era pequenina. Não sei explicar o porquê ele me dava tantos presentes quando chegava, na minha teoria era pra preencher um pouco do tempo que ele passava longe de mim.
Meu relacionamento com ele nunca foi um dos melhores. Acho que é porque ele é muito controlador. Ele não fica aqui a semana inteira que é quando eu estudo, então ele chega fim de semana aqui e quer meu quarto arrumado, quer que eu estude, quer que eu não fique durante muito tempo na internet. E isso é estressante pra mim. Ele cobra muito minhas notas, sempre pergunta se tenho dúvida com algo no colégio, e eu sempre digo que não. Porque sempre que aceito ele esclarecer minhas dúvidas, aquilo se transforma numa longa e chata aula em pleno fim de semana. E eu não mereço isso.
Ele é muito brincalhão nas horas certas e com quem ele acha que pode brincar. Está sempre rodeado de amigos. Quando chega em casa sexta à noite sempre me pede um abraço e todo os dias antes de dormir também. Tem um amor diferente pela minha mãe. Um pouco ciumento, precavido e sem jeito. Mas ele não mostra o ciúmes que sente por mim, ele esconde isso o tempo todo.
E ele me orgulha muito. Assim que eu nasci, ele parou de fumar. Quando viu que poderia afetar sua saúde, parou de beber bebidas alcoólicas. E olha que ele gostava muito de beber com os amigos em churrascos. E hoje sempre vou com ele nos churrascos e vejo ele com um copo de refrigerante. É aí que me orgulho por ele explode, de tão grande. Não sei o tamanho do amor que sinto por ele, mas tenho certeza absoluta que jamais aguentaria ficar mais do que uma semana sem vê-lo.
Feliz dia dos pais !
Te amo Gilmar.

2 comentários:

Karen disse...

Eu queria ter uma relação de sonhos com meu pai também, mas passo LONGE disso... bem longe! ;/

Bertonie disse...

Que lindo! Eu acho essas datas extremamente comerciais e simbólicas, porque, for me, tudo só serve para amenizar diferenças que jamais deixarão de existir porventura dos preconceitos estúpidos do cerumano. Não se importe, sempre há alguns desentedimentos entre pais&filhos, em geral.
beigos mil